Óleos corporais hidratam, mas pedem moderação

Os óleos de banho caíram no gosto das mulheres brasileiras quando o assunto é ter uma pele com o toque da seda. Nas prateleiras, as opções são as mais variadas: óleo com função de sabonete, óleo bifásico, trifásico, óleo perfumado, entre outros, que prometem uma pele mais bonita, cheirosa e hidratada. Mas será que o produto é indicado para todo tipo de pele? Quem tem pele oleosa pode usar?

Para responder essas e outras perguntas, o MinhaVida conversou com o dermatologista Marcelo Bellini. Ele sugere diversas dicas de como aproveitar ao máximo os benefícios do produto, sem precisar exagerar na dose.

Funções distintas
A primeira etapa para acertar a escolha do cosmético é entender as principais diferenças entre cada um deles. "Em geral, os óleos de banho (bifásico ou trifásico) servem para hidratar a pele e remover as células mortas , explica Bellini. "Isso porque, eles contêm produtos emolientes, hidratantes, condicionantes e lubrificantes em sua formulação."O bifásico combina duas fases - uma oleosa e outra aquosa -, promovendo a hidratação e prevenindo o ressecamento da pele. O trifásico assume as mesmas funções, mas também é enriquecido por um óleo vegetal, que traz o adicional de hidratação profunda.

De olho no rótulo
Verificar a composição do produto é essencial para garantir bons resultados, caso contrário, a absorção na pele fica comprometida e até alergias podem aparecer. Os óleos de banho feitos à base de óleo vegetal são mais indicados, porque formam uma película protetora na pele e retêm a água na pele, evitando a desidratação e proporcionando maior maciez. "Os produtos à base de óleo mineral trazem riscos de alergias, em razão dos compostos de sua formulação, além de serem menos eficientes", avalia o dermatologista. Para tanto, e só ficar de olho na embalagem do produto. Lá você encontra o tipo de óleo usado na fabricação. "Atualmente, as novas versões estão substituindo o óleo mineral pelos vegetais ou, ao menos, adicionando uma percentagem do vegetal à fórmula", diz Bellini.

Antes ou depois do banho? Enxágua ou não enxágua? O especialista explica que o uso do produto depende, mais uma vez, de sua formulação. "Alguns produtos, especialmente os com base de óleo vegetal, podem ser utilizados até mesmo antes do banho. Assim, a pele fica protegida da desidratação e das impurezas da água do chuveiro", salienta.

Além disso, seguir as indicações da prescrição no rótulo é fundamental. Quando as formulações são mais fortes - seja pela essência, pelo corante ou pela ação hidratante - é preciso passar ao menos uma ducha sobre o corpo depois da aplicação do óleo para evitar o risco de alergias. Outro problema é a sua consistência gordurosa demais. Alguns produtos são tão pegajosos que acabam impregnando no corpo, passando uma sensação de pele oleosa ao longo do dia.

Evite o excesso
E dá para substituir o hidratante pelo óleo e banho? Cá para nós, é bem mais prático aplicar o óleo corporal de baixo do chuveiro do que passar o creminho pelo corpo todo depois. Mas não tem muito jeito não. Já que o uso do óleo corporal não é indicado para uso diário. "Como o óleo tem o poder de formar um filme protetor na pele, seu uso exagerado pode tampar os poros e aumentar a oleosidade por ele reter o líquido natural do corpo", alerta o especialista. Outro fator é que as camadas de película que se formam no tecido vão deixando a pele opaca e sem vida ao longo do tempo justamente por não deixar o hidratante penetrar e nem a água limpar corretamente. Uma dica para quem adora o ritual, é optar pela esfoliação a cada 10 dias, que acaba com a oleosidade e impurezas.

Quem tem pele normal podem passar o produto no corpo a cada dois dias. Mas quando a pele é oleosa o ideal é passar uma ou, no máximo, duas vezes por semana além de optar por uma versão para esse tipo de pele. "Caso contrário, essa oleosidade pode aumentar graças à grande ação hidratante presente na maioria dos produtos", explica.

Regiões do corpo
O óleo de banho não deve ser passado em determinadas partes do corpo, mesmo em pessoas que apresentam a pele mais ressecada. "No rosto e nas áreas mais oleosas, como costas e região peitoral, o uso do óleo deve ser evitado, caso contrário, a oleosidade será potencializada", finaliza Bellini.

fonte: minha vida

Jac Bagis

6 comentários:

  1. Não estou conseguindo SEGUIR o blog está muito lento.

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito de óleos corporais, até mais do que os cremes. bjs, rose.

    ResponderExcluir
  3. Bom saber que não pode ser usado todos os dias, pois amo óleo corporal.
    Bj

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. adoro oleos corporais ,
    quando a minha mulher passa,
    ela fica com a pele mas lindas.
    belissimo blog,
    gostei das dicas q tem no seu blog.
    prbns e muito sucesso.
    comente no blog
    www.analucianicolau.adv.br

    ResponderExcluir