Assassinatos na Academia Brasileira de Letras

Adoro ler. Muitas vezes quero ler um determinado livro e baixo no celular, mas não é a mesma coisa de ter o livro nas mãos, percorrer as páginas, sentir o cheiro do papel. Muitas vezes brinco, dizendo que tenho um fetiche por livros.

Nessa última semana estive lendo esse livro: "Assassinato na Academia Brasileira de Letras", escrito por Jô Soares.




O desenrolar da história acontece na cidade do Rio de Janeiro em 1924, quando alguns imortais da Academia Brasileira de Letras morrem em circunstâncias misteriosas. Cabe, então, ao Comissário Machado Machado e ao seu colega legista Gilberto de Penna-Monteiro descobrir quem é o serial killer e os seus métodos obscuros de envenenamento.

Durante toda a leitura do livro me encantei com a escrita do Jô, com muitas expressões rebuscadas e leitura cativante. O final, surpreendente; até porque conforme a leitura vai prosseguindo, imaginei que fosse uma pessoa, jamais o assassino em questão (adoro me surpreender!).

O livro foi publicado pela Companhia das Letras em 2005.

Jô Soares é comediante, humorista e dramaturgo. Publicou "O flagrante", "O astronauta sem regime" e "O humor nos tempos de Collor". Também publicou os romances "O Xangô de Baker Street", "O homem que matou Getúlio Vargas" e "As esganadas".

Enquanto eu escrevia essa postagem, encontrei esse site sobre o livro. Aproveite pra visitar e ler um trecho do livro.

Jac Bagis

Nenhum comentário:

Postar um comentário