'São uns lobos', diz mulher obrigada a se prostituir na Europa por 6 anos



Após a prisão de um casal suspeito de aliciar mulheres para prostituição, uma moradora de Cajazeiras, bairro popular de Salvador, contou nesta sexta-feira (1°) o drama que viveu em Portugal, Espanha e Alemanha, durante seis anos, na posse de uma quadrilha de tráfico internacional de pessoas.
Ela considerou a proposta tentadora. "Era para ganhar dinheiro muito alto durante três meses, para comprar uma casa e para conseguir abrir um comércio para mim aqui no Brasil", disse a mulher, que prefere não se identificar. Os aliciadores a obrigavam a fazer sexo com cerca de 20 homens por dia. "Às vezes até mais, dependendo do período, do mês. No início do mês, era sempre quando tinha mais frequência, né? Eles são uns lobos vestidos em pele de cordeiros", contou.
Hoje aos 32 anos, a mulher é uma das baianas levadas ao exterior por quadrilhas especializadas em tráfico de mulheres. A Bahia é o terceiro estado no país com maior incidência deste tipo de crime, segundo dados da Secretaria Nacional de Justiça. De 2005 a 2011, 475 pessoas foram traficadas.
Os traficantes internacionais optam geralmente por mulheres de baixa renda e pouca instrução, que entre 15 e 27 anos, com cor negra ou morena. Na maioria das vezes, as vítimas têm que procurar a polícia para conseguir voltar para a casa.
A advogada Regina Machado explica que o tráfico tem origem na Rússia. Para ela, a dificuldade em combater esse tipo de crime é a burocracia. "Nós tratamos de relações internacionais entre o Ministério de Relações Exteriores, do Brasil, com outros países. Essa demora é o que mais nos prejudica no trabalho de repatriação ou de deportação", disse.
Prisão
Um casal de brasileiros foi preso na quarta-feira (30), no bairro de Cajazeiras, como suspeitos de participação em um esquema de tráfico de pessoas entre Salvador e Espanha. A Operação Planeta, da Polícia Federal, foi deflagrada para investigar o esquema ilegal.

Os dois suspeitos foram localizados por meio de uma denúncia anônima. Segundo a PF, a mãe de uma menina que seria vítima do esquema informou que as garotas eram aliciadas no bairro de Paripe, no subúrbio ferroviário de Salvador, com a promessa de irem para Espanha como dançarinas em uma casa de shows.
De acordo com Fernando Berbert, coordenador da operação, quando as jovens chegavam ao país tinham os passaportes retidos pelos aliciadores e começavam a trabalhar como prostitutas. Ainda segundo o coordenador, as vítimas recebiam ameaças de coerção moral às suas famílias, além de ameaças caso fugissem do local. A operação identificou cinco garotas brasileiras, uma delas já retornou ao Brasil. A Polícia não informou o estado de saúde da vítima.
Na operação, foram apreendidos documentos, computadores, celulares, informou a PF. Duas casas de prostituição foram fechadas na Espanha, duas na cidade Salamanca e uma na cidade de Ávila.
A Polícia Federal informou que as investigações apontam que integrantes da quadrilha de tráfico de pessoas recrutavam mulheres brasileiras, em Salvador, com a proposta de trabalharem na Espanha. Além do emprego, era oferecido às vítimas passagens aéreas, além de dinheiro que seria usado para as despesas pessoais fora do Brasil. Os suspeitos de integrar a quadrilha serão indiciados por tráfico internacional de pessoa para fim de exploração sexual e formação de quadrilha, informou a PF.
Fonte: G1

Jac Bagis

2 comentários:

  1. E aí a gente vê que o que passa na novela Salve Jorge não é tão fora da realidade assim, que essas coisas acontecem mesmo e que é preciso tomar cuidado. Quem cai nessa não é culpado, é iludido por "um lobo em pele de cordeiro" muito esperto.
    Espero sua visita: petalasdeliberdade.blogspot.com .

    ResponderExcluir
  2. Otimo post, parece mentira mas isso acontece msm.Essa novela ta vindo p alertar mt gente.Passa la se gostar e quiser seguir nos deixa saber que seguiremos de volta. Bjus

    ResponderExcluir